A arte de ser grato

O ser grato é uma arte que, quanto mais praticamos, mais nos sentimos plenos. Porém, será que sabemos o que, realmente, essa palavra significa? O valor desse sentimento é algo incomensurável e, para mim está ligado à memória, a recordação.

Ora, dirão alguns, como assim? Como gratidão pode estar ligada à memória e a recordação? Por uma razão muito simples: quando somos ajudados, muitas vezes, temos a tendência de esquecer quem nos ajudou e, não raro, acharmos que quem nos ajudou, não fez mais do que sua obrigação.

Olha gente, não tenho a pretensão de ditar “normas” acerca de como sermos gratos, mas esse sentimento deveria criar em cada um de nós um sentimento de plenitude, de amor e, minimamente nos fazer pensar em quem nos ajudou, com carinho e que em um momento de nossa vida, nos acolheu, nos deu a mão e, nos fez encontrar um atalho, uma saida, uma razão para prosseguir.

Aprendi, desde criança, com minha fantástica mãe que, ” a vida, é um dar e receber” E que, “amor, com amor se paga”. E, no mínimo, jamais faltar com respeito ou magoar a quem nos deu à mão, não é preciso dar nada em troca, mas é preciso se colocar no lugar do outro e, se possível, também devolver essa ajuda, sabendo estender a mão.

E que eu saiba ser grata, sempre, a tantas pessoas na minha vida, que me estenderam a mão.

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.