A loucura dos preços no Brasil

Caros leitores, por mais que me esforce, não consigo compreender o ciclo de loucura que comanda a nossa economia, especialmente, no capítulo dos preços que fazem parte da rotina nossa de cada dia. Na sexta-feira, dia 21 do ano da graça deste mês, verificando o quanto estratosféricos estavam os preços na Feira.

Fonte da imagem: Revista Quatro Rodas

E vendo que, a afluência de “fregueses” havia aumentado de forma significativa, perguntei ao feirante que sempre me atende: “Zé, não estou entendendo, os preços de muitos produtos dobraram, por que a Feira está com tanto movimento ?” e ele: “Ah, é assim mesmo fico alegre quando isto acontece porque as pessoas compram mais do que o habitual, pois, as “mercadorias” somem do supermercado e eles vêem todos para cá! ”

E aí, vai entender a tal “filosofia” reguladora do mercado! E não pensem que é só nesse segmento, que isto funciona, pois, se uma determinada roupa é colocada à venda em uma loja de grife (bem fashion, segundo as vendedoras), mas pode ser encontrada em lojas de departamento por um preço, às vezes, até 40% menor, com a mesma modelagem, o consumidor que tanto reclama (e como reclamam) dos preços praticados, quando alguém sugere, “compra então a roupa mais barata (palavra que muitos abominam), não sei bem porque, respondem “nem pensar tem que ter a logomarca famosa, senão o que dirão meus amigos?”

Fazer pesquisa de preços, para alguns, funciona como crime de “lesa majestade”, seja no mercado, na compra de material escolar, pois, passei por tal experiência, quando sugeri a uma amiga que pesquisasse os
preços dos pacotes de viagem e, ao invés de viajar na primeira classe, o fizesse na classe econômica, ao que ela horrorizada respondeu: “tá maluca, e o que vão dizer se me virem na econômica?”

Enfim, acabo chegando a conclusão (bem doida, por sinal), de que nós brasileiros vivemos um pouco na
“Ilha da Fantasia”, quando deveríamos fazer como em certos países nos quais vigoram a seguinte “LEI”, se
estiver caro, vamos substituir por outro similar, o que obrigaria aqueles que atuam em todos os segmentos a
praticar uma concorrência saudável, onde sairíamos todos ganhando na cadeia produtiva, do consumo e, com certeza, todas as classes, categorias e, o nosso BRASIL.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.