Fogo Amigo

A sociedade brasileira vive, atualmente, uma verdadeira “guerra” na qual as pessoas parecem estar em um constante jogo de perde/ganha e no qual é um tal de salve-se quem puder. Amigos de longa data, de repente, tornam-se verdadeiros algozes uns dos outros. A palavra traição, nunca esteve tão em voga. E, diferentemente de quando essa palavra significava tristeza de mulheres e/ou homens traídos, o desastre, vem ocorrendo entre parceiros, aliados, sociedades comerciais, sendo que, na política, virou quase um dever de ofício.

Amor ao Brasil
Imagem/Reprodução: Tim and Jess

E, esse “fogo amigo”, desencadeou uma guerra onde todos perdem, e só ganham os espertos de plantão porque ficam à margem desses conflitos esperando tão somente uma brecha para, infelizmente, usarem àquele famoso “jeitinho brasileiro” e conseguirem vantagens nas mais variadas situações e profissões.

Por acaso já pararam para pensar qual a origem de uma triste máxima, apregoada pelos falsos heróis da pátria, onde os empresários dos mais variados segmentos são vistos como vilões e, os empregados como vítimas? Por incrível que possa parecer, algumas vezes presenciei empregados em uma roda de conversas, naquele famoso intervalo do cafezinho dizendo: “tomara que o patrão quebre, tomara….”. Porém, uma pergunta que não quer calar, será que esses pseudos trabalhadores pararam para pensar que, se o patrão algoz quebrar, ele ficará sem emprego e quebrará também?

Cidade Maravilhosa - Vamos fazê-la ainda melhor?
Imagem/Reprodução: Rough Guides

Espero que, em um futuro não muito distante, as pessoas comecem a tomar consciência da responsabilidade de seus atos em suas próprias vidas e na dos demais e, ao invés de ficarem atirando para todos os lados, resolvam estender as mãos, e comecem a criar uma mentalidade próspera onde prevaleça a vontade de compartilhar ideias voltadas para a renovação, vendo as empresas onde trabalham e seus dirigentes como parceiros, pois, essa cumplicidade será a alavanca impulsionadora para todos saírem da crise, sem crise, àquela famosa inscrição em nossa bandeira, deixará de ser apenas uma bela frase, e se transformar em uma fantástica realidade para esta geração e para as gerações futuras, “ordem e progresso“. E nesse cenário, deixará de existir algo que tem alimentado o “fogo amigo“, a desordem e a estagnação econômica, que só interessa aos desonestos, medíocres, muitas vezes portadores de diplomas, viajados, ricos em dinheiro, com uma enorme pobreza espiritual e intelectual, mas portando a bandeira de uma enorme pobreza moral.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.