Meio Ambiente, como cuidar do nosso bem mais precioso?

A Lei Nº 9.605/98, dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. A Lei, em si, traz inúmeras sanções nos âmbitos administrativo, civil e penal, mas não vou cansá-los discorrendo sobre todos os aspectos legais, porém, se a Lei fosse “respeitada”, pela grande maioria da população, em especial, no tocante a fauna e flora, já seria um grande avanço, pois, são partes da natureza mais próximas de cada um de nós.

Por exemplo, a vegetação, que encontramos no nosso dia-a-dia, perto de nossa casa, no caminho para a escola ou trabalho – aquele jardim público, gramado e com inocentes plantinhas – nos quais pisamos – sem nem nos darmos conta de que ali a vida existe, os pássaros aprisionados em gaiolas, as florestas devastadas pela motosserra, os animais maltratados em laboratórios, pet shops, e até mesmo, no ambiente doméstico. Agora, sejamos honestos, não seria mais simples, se respeitássemos o meio ambiente e o tratássemos como gostaríamos de sermos tratados, ou seja, com respeito. O ordenamento jurídico, faz-se imprescindível para nortear o comportamento das pessoas, face as sanções aplicadas aos infratores.

Entretanto, de nada servem as leis, se o principal se fizer ausente, o bom senso, que deveria estar acima de qualquer sentimento de posse do ser humano, que tem a pretensão de querer dominar a natureza, escravizá-la para servir a sua ambição. Por que, ao invés de cortarmos árvores indiscriminadamente, pensando apenas naquela casa fantástica, na construção de novos condomínios, não usamos a tecnologia Light Steel Frame (material muito utilizado em países como Nova Zelândia, Canadá, Chile, Estados Unidos) tecnologia inteligente, e que não agride o meio ambiente, obra limpa, onde todo material é reaproveitado e, a água, já escassa em alguns pontos do nosso planeta, só é necessária para higiene pessoal dos trabalhadores no canteiro de obras.

As usinas de energia elétrica, deveriam aproveitar de forma mais efetiva, o lixo, ao invés do mesmo ser jogado nos rios, degradando-os cada vez mais. E nós, bem….. cada um de nós, podemos fazer a nossa parte, não jogando lixo na rua, naquele riacho perto de nossa casa. E, ficam aqui, algumas dicas do tempo da vovó: não jogar fora, as cascas de legumes, ovos, utilizando-as como adubo, aquelas folhagens que vêem junto com o brócolis couve-flor, podem ser cortadas bem fininho e se transformarem em uma saborosa “couve a mineira”. As dicas são bem simples, mas funcionam (as utilizo na minha “culinária”) são uma pequena contribuição, a mãe natureza, que me tem dado tanto, pois, sem ela, eu nem poderia existir.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.