O Brasil que dá certo

Vamos combinar, não sou nenhuma “expert” em economia, mas acompanho de forma bastante interessada os noticiários, pois, como todo brasileiro que ama o seu país, fico naquela expectativa de que de alguma maneira, esse país, encontre seu caminho e saia da pasmaceira em que se encontra, o que na minha visão, depende mais de cada um de nós do que dessa política, muitas vezes equivocada e mascarada de boas intenções, que há muitos anos, corroí as nossas riquezas, com muita gente, no fundo, torcendo para que vá tudo para o “brejo”, literalmente, para poder “inventar” um herói salvador da pátria, só que não. E esse tipo de herói, se assemelha bastante a um grande vilão, que mente, trapaceia, rouba os sonhos das pessoas, com o pretexto de resgatá-las. Perigoso demais, porque muitos, por ingenuidade ou oportunismo acabam sendo os alimentadores desse tipo tão perigoso.

Porém, há sim um país que sempre deu, e sempre dará certo, mesmo com a “torcida” dos contra todos, mas só à favor deles mesmos: esse BRASIL que dá certo, atende pelo nome de: AGRICULTURA. E, essa afirmação não é só falácia, pois, não fosse essa senhora, não teríamos um crescimento do PIB, no primeiro semestre fiscal, de 2%, pois, foi o único setor que cresceu neste período, a despeito da pesada carga tributária, e olhe que até o homem do campo, paga a famigerada CSR (contribuição sindical rural) que, como qualquer contribuição sindical é OBRIGATÓRIA. Opis, obrigatória, por quê?

O Brasil que dá certo
Imagem/Reprodução: Pixabay

E, a aclamada democracia, a liberdade cantada em prosa e verso, aos quatro ventos inclusive, pelos sindicatos, belo discurso na contra-mão de tudo que seja o símbolo da liberdade. Normas, regras, leis, devem servir para agregar valores, proteger os cidadãos de bem, e não para gerar conflitos, mas essa é outra história (tema para um próximo artigo).

Para o homem do campo, na grande maioria, (fora os que conclamam à destruição das propriedades alheias), aqui vão todos os meus aplausos, porque não se deixarem contagiar pelo discurso do “quanto pior melhor“, trabalham com amor à terra, ao país, à família. Os números da última safra, não me deixam mentir, de 2016/2107, de 188 milhões para 232 milhões de toneladas de grãos, um aumento em relação ao 4º trimestre do ano passado, de 13,4%, o segredo? Para os incrédulos, é algo excepcional que poderá não se repetir, mas irá se repetir sim, pelo simples fato de que existe um histórico na vida dessa gente, ou seja, desde a criação do mundo, seja o mais humilde lavrador que labuta no seu pequeno pedaço de terra, empunhando a sua enxada, até àquele fazendeiro que conta com a mais alta tecnologia e os maquinários de última geração, todos, têm em comum um imenso orgulho em saber que, de suas mãos, saem o alimento, a riqueza geradora de empregos e que se unem, isto mesmo a palavra é, UNIÃO, em torno de um resultado para benefício de todos, independente de raça, credo, cor ou de ideologia política. É a isto, que chamo de um verdadeiro combate a desunião, a intolerância, a violência que só destrói, e só interessa aos pseudo patriotas.

O Brasil que dá certo
Imagem/Reprodução: Pixabay

O Brasil da prosperidade conhecido como agronegócio, deve servir de exemplo e ser copiado, por todos os demais setores, mesmo com todas as dificuldades reais, que são muitas, e as “fabricadas“. A dificuldade maior, é àquela “plantada” pela discórdia, pelo pessimismo, pela truculência dos protestos, que não protestam por algo útil, e que sob o comando de um grupo de baderneiros, incitam e promovem o quebra-quebra, a violência exacerbada.

A alegria de ver aquele campo verdinho, coberto pelas hortaliças, as toneladas de grãos, as frutas que de tão especiais, somente brotam do solo brasileiro, são um dos melhores espetáculos da terra. Temos muito a agradecer aos nossos agricultores que, além da esperança, também plantam a riqueza não só dos alimentos, mas ainda da economia e que foram em meio ao caos reinante, os verdadeiros “salvadores da pátria“.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.