O Protagonismo da Sociedade Brasileira

Bem não custa muito perguntar, embora a resposta seja óbvia: você aí, paga impostos? E, você sabe que tem todo o direito de saber o que os governantes fazem com o nosso “rico” dinheiro? Então se não sabe, que tal começar a procurar saber! A nossa constituição quem diria, preconiza: “todo poder emana do povo e em seu nome será exercido”. Ops meu povo, por quê na nossa grande maioria, não exercemos esse poder? Alguns dirão, lá vem ela de novo com essa de mania de questionar.

Dinheiro Brasileiro - Brazilian Money
Imagem/Reprodução: Folha Vitória

Podem me chamar de chata e de querer buscar o motivo de tudo. Pensem bem, somos o país com uma das maiores cargas tributárias do mundo, razão mais do que suficiente para reivindicarmos que essa “robusta” arrecadação seja traduzida em: saúde de qualidade, conectada com uma rede hospitalar com tecnologia de ponta, profissionais treinados, bem remunerados, rede de educação que dê suporte a todo brasileirinho (assim mesmo, desde a mais tenra idade) para buscar ser dono de si mesmo, através da sua profissão e não dependente dos “favores do governo“, e o que é pior, com essa falácia que isso e aquilo é de “graça“, o serviço é público, mas pago por cada um de nós.

O transporte, público, é um capítulo à parte. A concessão, para esse tipo de serviço deveria desde sempre, prever: transporte de qualidade, com conforto, incluindo nesse “pacote”, além da climatização dos ônibus, a obrigatoriedade de estradas e ruas pavimentadas, bem iluminadas, de preferência, livres de assaltos!

A toda hora, o que vemos, são homens públicos nos prometendo as maravilhas de escolas, hospitais, cheches, praças para as crianças e idosos, como se isso fosse pago com as verbas fruto do empenho deles, nada mais falso. O que vemos, são benesses, que tornam a vida dos senhores políticos algo maravilhoso, mas muito pouco ou nenhum esforço, na sua maioria, (prefiro não generalizar, existem alguns bons políticos) para beneficiar o verdadeiro dono do dinheiro: o povo.

Bandeira Brasileira - Brazil Flag
Imagem/Reprodução: AgraNet

Porém, ainda é tempo de cada um de nós procurarmos fazer a nossa parte para mudar esse “jogo” . Primeiro, é urgente que procuremos saber dos nossos direitos, exigindo que desde logo, deem conhecimento, de verdade, da destinação do que arrecadam. As redes sociais, são um instrumento valioso para troca de informações, e me pergunto por quê, ao invés de ficarmos apenas muitas vezes nos lamentando, não as usamos começando por fazer uma corrente de conhecimentos, pelo menos para que saibamos os princípios básicos de nossos direitos, garantidos pelos instrumentos mais simples, entre outros, como o Código de Defesa do Consumidor?

Podemos ainda usar as associações de bairros, as escolas (temos professores excelentes, dispostos a ajudar), rodas de amigos, ambiente de trabalho, festas, para troca de uma das “armas” mais poderosas que temos: o conhecimento.

O nosso país, não é o único a ter uma série de problemas e, a corrupção, não é um privilégio nosso, mas a vontade de quebrar esse ciclo vicioso, tem que ser bem maior do que a de ficarmos pensando e falando; “o Brasil, não tem mais jeito, é um caso perdido, nem daqui a mil anos vai melhorar”. Correndo o risco de pensarem que sou uma pessoa alienada e sem visão, posso dizer: tudo na vida, tem uma saída e uma solução, só depende de que caminho queremos tomar, por qual estrada pretendemos enveredar, ou então, vamos ficar na mesmice da reclamação – eita energia ruim – a crise, outra palavrinha antipática, tem que ser passageira e não moradora permanente em nossas vidas. Claro está, que fácil não é para ninguém, é um grande desafio. E, a vida é feita de desafios sendo um dos maiores, em meio a tantas tempestades, buscar encontrar com criatividade o caminho da bonança.

Alegria dos Brasileiros - Joy of Brazilians
Imagem/Reprodução: Manoel de Brito

Creiam-me ainda há tempo para que viremos o “jogo”, não somente para daqui a mil anos a frente, para as futuras gerações, mas pelo aqui e agora, no nosso próprio tempo, combatendo falsos pudores ou ideologias ultrapassadas, cheias de ódio e disputas vazias baseadas em quem dá mais ou tem a melhor condição para ganhar do outro, mesmo que o ganhar vire uma estrondosa derrota por pensar apenas em si mesmo, sem pensar no coletivo, na máxima de que a união e, somente ela, possui a força capaz de vencer qualquer guerra, inclusive, a da corrupção.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.