Otimismo vs. Intolerância, quem será o vencedor?

A palavra otimismo, nos remete, a entusiasmo, conquistas, alegria, alto astral. Porém, mais do que nunca, esse sentimento, a meu ver, deve vir acompanhado de … uma certa cautela, pois, o que vemos a nossa volta nos mostra (e sou adepta do pensamento positivo) que a intolerância, teima em fazer parte do comportamento das pessoas.

E,hoje, ao sair à rua, vi de perto duas demonstrações da intolerância, incríveis. A primeira, quando uma jovem empurrava o carrinho do bebê na calçada e, uma “senhorinha”, logo atrás dela gritou” E aí vai me deixar passar ou pensa que é dona da calçada?”.

A moça entre espantada e indignada, chegou para o lado, olhou para mim e perguntou: Por quê, tanta intolerância? No shopping, vi uma vendedora ser destratada, pois, a “madame” estava demorando a entender de imediato, o que ela queria e saiu com uma fúria assustadora, deixando a moça perplexa, indagando: mas por quê, tanta intolerância?

Aí, viu mais uma vez a terrível palavrinha, sendo a protagonista da situação! Agora, dirão vocês como o otimismo entra nessa história? E digo, entra para impedir que, apesar de tamanha incompreensão de algumas pessoas, deixemos usar o otimismo, mas continuando a acreditar que o mundo pode ser muito melhor, se praticarmos mais amor, (amar é também um aprendizado), mais compreensão, e se praticarmos ainda o dom da paciência, mesmo que a intolerância teime em se fazer presente no dia-a-dia.

Isto é, devemos expulsá-la com vigor, a começar por nós mesmos, sendo mais tolerantes com nossas pequenas eventuais imperfeições, e a dos os outros, otimista sim pensando que se fizermos nossa parte e cultivarmos um olhar mais tolerante e menos crítico com os outros, a começar pela nossa casa, com os pais, filhos, companheiros, vizinhos, colegas de trabalho e de estudo, professores, ou seja, com a grande família humanidade da qual fazemos parte.

Vamos começar a tentar essa prática, a do otimismo consciente, sem utopia, mas que poderá fazer a grande diferença, trazendo para nossa vida um sentimento de leveza, apesar dos mais céticos, que querem que acreditemos que é quase impossível criar um mundo melhor!

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.