A Responsabilidade Civil de cada cidadão

O que acompanham os artigos neste blog, se perguntarão: ela vai falar de novo, nesse assunto tão “chato”? É, até reconheço não ser dos temas mais agradáveis, mas é igual àquele “remédio” que tomamos para evitar um mal maior ou para nos curar de uma doença da qual queremos nos livrar (saúde é bom e, todo mundo gosta).

Responsabilidade Civil nas Urnas
Fonte da imagem: Comexblog

Então, vamos respirar fundo e “engolir”a medicação que, neste caso, é a reflexão em torno de um tema que a muitos não agrada, embora caminhe conosco no dia-a-dia. Com a aproximação do dia 05 de outubro, através da mídia, seja escrita, falada ou televisada, todos os dias e, a toda hora, temos ouvido falar em uma palavra pequena, mas que deveria estar “colada” na mente de todos, independente de qualquer situação e/ou problema: ÉTICA.

Parece fácil, porém não é. Porque todos nós falamos de ética, mas será que sabemos qual o real sentido dessa palavra? O ser ético, é não se deixar corromper ou tentar corromper o outro, e realmente, saber o limite para interferirmos na vida do outro. É aí que entra a “política”, pois, muitas vezes, invade nossas vidas, além do limite.

E dou-lhes desde logo um exemplo bem recente: a decisão do governo federal em “vigiar” as bagagens dos brasileiros que cheguem de viagens ao exterior, mesmo que não haja excesso de bagagem, a pretexto de coibir compras que possam ser usadas para burlar o pagamento de impostos.

O nosso voto, não pode servir para chancelar a pretensão daqueles que concorrem a um cargo eletivo com práticas abomináveis, como a compra de votos, tipo: se votar em mim, arranjo um emprego para você no meu gabinete e, nem precisa trabalhar, basta “bater” o ponto, de vez em quando, desde que parte do seu salário, seja repassado para minha conta!

E, vamos combinar se aceita esse tipo de coisa, como o cidadão poderá reivindicar seus direitos, se e os vendeu?

Responsabilidade Civil e a Ética
Fonte da imagem: Comexblog

A nossa responsabilidade é imensa, pois, a nossa escolha colocará uma pessoa em um cargo com poder de decidir por nós e, essa decisão, ditará regras que influenciarão na nossa vida pessoal, profissional, em uma sociedade inteira, e quais caminhos, que iremos percorrer agora e que poderá mudar os rumos do país e irá refletir no nosso destino e, no de gerações futuras.

Portanto, desaconselho, se deixar influenciar por promessas mirabolantes, tipo: em dois anos resolverei o problema de mobilidade urbana – pior ainda – se for candidato a reeleição, pois, se ele não se voltou para essa questão no seu primeiro mandato, como irá fazê-lo no segundo?

Também tem aquele que promete resolver o problema do déficit habitacional, mas sem dizer que isso é uma questão de projeto e, projetos têm que ser feitos por profissionais da área de construção civil (arquitetos e engenheiros), mesmo que agora exista uma tecnologia, que pode agilizar o processo, que é a construção a seco (Light Steel Frame) mas com toda a tecnologia, para isso é preciso planejar e desburocratizar o setor da construção civil, que no nosso pais, ainda é muito “engessado”.

Sistema Eleitoral Brasileiro
Fonte da imagem: Wikipédia

Agora o mais importante, é a informação, saber se o seu candidato tem uma carreira política, condizente com suas promessas, por exemplo: a assiduidade nas sessões (câmara/senado), se apresentou projetos de interesse do povo e se empenhou para vê-los aprovados, se andou se envolvendo com escândalos de corrupção, recebendo propina para beneficiar qualquer setor em detrimento dos interesses da sociedade, se tem uma vida pessoal digna, porque não se iludam, o candidato que desrespeita o seu meio (família/amigos/colegas de trabalho/vive dando vexames, tipo beber e ser pego na blitz da Lei Seca, tentar subornar o guarda/maltratar os empregados, ter atitudes preconceituosas, etc), jamais honrará o mandato eletivo que receber, porque não saberá respeitar o eleitor que o colocou naquele lugar.

E, mesmo com todas as “benesses” – do cargo, um deles, é o chamado “foro privilegiado“, creiam-me ele é, antes de tudo, um ente público, um servidor público e que tem o salário pago por você, meu digno eleitor.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.


  • Pedro Gouvea

    Ficou D+ este artigo!

    Retrata do que devemos ficar em alerta e, o mais importante: votar na pessoa certa, ainda mais no Segundo Turno..

    Abraço!!!!

    • Sonia Maria Custodio

      Olá Pedro (Pedrinho)

      É, espero que todos votem de forma consciente, pensando não somente em si próprio, mas também na responsabilidade que temos como cidadãos, no desenvolvimento do nosso país.

      Abraços

      🙂 🙂 🙂