Ano Olímpico: um verdadeiro legado?

Passou, mas vai deixar saudade e um gostinho de quero mais: mais alegria, mais superação, mais solidariedade, mais determinação, mais amor! Pode parecer filosofia barata e, respeito os que assim o pensam. Porém olhando para as duas “etapas” do evento, ou seja, Olimpíada e Paralimpíada fica difícil dizer o que mais me emocionou.

Rio 2016 - Ano Olímpico Fantástico
Imagem/Reprodução: Rio 2016 Official

Os atletas olímpicos, cheios de talento e espírito de luta, querendo conquistar medalhas e o reconhecimento do mundo, em especial o esportivo, nos contemplaram com um magnífico espetáculo transformando o dia a dia da nossa Cidade Maravilhosa em permanente festa, colocando os problemas que afligem todas as grandes cidades um pouco no mundo do esquecimento, a “crise”, deixou de ser a estrela maior para se tornar apenas um pontinho.

As festas tanto de abertura, quanto de encerramento dos Jogos Olímpicos, mostrou ao mundo do que somos capazes, com uma lição de criatividade muito além de qualquer imaginação, foi emocionante sem ser piegas: foi pura arte pelas mãos de profissionais que merecem esse nome. Os olhos do planeta Terra, ficaram literalmente “grudados na transmissão, surpreendendo pelo inesperado sucesso, posto que os pessimistas de plantão apregoavam que iria ser um retumbante, “fracasso”. Tirando alguns episódios ruins que, infelizmente, impanaram um pouco o brilho da festa, no final de tudo, podemos nos orgulhar de termos dado o nosso melhor .

A abertura dos Jogos Paralímpicos, que alguns mais apressados teimavam em dizer: ah! dessa vez alguma coisa vai dar errado, não acredito que irão acertar novamente. E, aí: bingo também foi maravilhosamente belo. É difícil dizer qual delas foi melhor, pois, todas tiveram o mesmo objetivo e acertaram em cheio. Nos dois casos ficou provado que o brasileiro, quando quer, é insuperável na arte de criar.

Rio 2016 - Evento Olimpíadas e Paralimpíadas
Imagem/Reprodução: Rio 2016 Official

Os atletas paralímpicos, sem medo de errar, posso dizer que me deixaram literalmente de “queixo caído” . A surpresa de ver atletas com um nível de superação, não só espetacular como difícil de entender. A mágica, diante dos nossos olhos conquistando medalhas com imensa maestria e, acima de tudo transmitindo alegria, otimismo e nos fazendo crer que tudo é possível, basta acreditar.

Então devemos parar para pensar se, de fato, tiramos alguma lição de toda essa “festa”. Nada valerá todo esse espetáculo de beleza se não tivermos pelo menos, um pouco que seja, aprendido alguma lição e repensarmos o sentido da vida de forma individual e coletivamente.

Lição número um: reclamar, lamentar e se vitimizar não nos levará a lugar algum, ou melhor, levará sim, ao fracasso

Lição número dois: ao invés de só olharmos para dentro de nós e de nossos problemas, olhemos à nossa volta e veremos como são pequenos nossos problemas, diante das “limitações”, se é que se pode chamar limitação, aqueles atletas deficientes visuais, para citar apenas um exemplo e que superam todos os dias obstáculos e preconceitos, para serem autores da própria história, são pessoas agradecidas por estarem vivendo e fazendo o seu melhor.

Review Olimpíadas 2016 Rio de Janeiro
Imagem/Reprodução: Rio 2016 Official

Lição número três: o nosso amado Brasil, merece que cada um de nós ao invés de ficarmos nos lamentando e achando que o aeroporto é a melhor solução, lutemos dando o nosso melhor. Todos temos de alguma forma como buscar uma saída, até esta crise que nos atazana a vida, tenho que reconhecer, poderá deixar de ser esse “leão” de dentes afiados, perdendo a força ante o empenho de um povo que tenho a certeza, quer viver em um país mais justo, humano e próspero. Vamos nos dar as mãos, de verdade, esquecendo diferenças de ideologias, preconceitos que não servem para nada, apenas para nos enfraquecer.

Lição número quatro: mesmo naqueles dias (também tenho os meus dias pouco gloriosos) em que o desânimo teima em nos acompanhar, olhar em volta é preciso, e usar aquela velha mas eficiente fórmula: fé, foco e determinação, lembrando que muitos dos nossos atletas, sejam paralímpicos ou não, mesmo diante dos dilemas pessoais abrem o sorriso, se atiram e vão a luta porque se não acreditarmos que é possível, tudo perde o sentido e a razão de ser.

Se houver uma mudança em cada cidadão para se superar, se isso realmente ocorrer, aí sim poderemos afirmar: os Jogos Olímpicos nos deixaram um grande legado.

E você, o que você achou do evento? Compartilhe com a gente! 🙂

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.


  • Muito bom!!

    • Sonia Maria Custodio

      Obrigada, valeu mas você não deu sua opinião acerca da Olimpíada, de forma mais detalhada!