E seu disser que, também somos culpados?

Os que estavam acostumados a ler meus artigos, devem ter estranhado a minha longa ausência, sem escrever, mas precisamente neste dia, senti muita falta de fazê-lo. E, para começo de conversa, faço a “mea culpa” por me permitir ausentar durante tanto tempo, de algo que me proporciona um grande prazer: escrever.

Ponto de Interrogação entre Pessoas
Imagem/Reprodução: BizMeet

Porém, como qualquer mortal tenho o direito de retomar e procurar recuperar o tempo “perdido” e, o faço com um tema muito em voga atualmente: a culpa de cada um de nós e ao mesmo tempo a constatação da não culpa, pois , temos a tendência de muitas vezes, sermos extremamente críticos, sem pararmos para pensar que somos seres falíveis e muitas vezes aferrados ao passado que deveria ficar, no esquecimento, a não ser por um motivo nobre – não voltarmos a repetir os mesmos gestos equivocados, as mesmas atitudes impensadas e o que é mais importante : não voltarmos a relacionamentos (seja afetivo e/ou profissional) que, ao invés e nos acrescentar só nos deixou mais pobres em alegrias, afeto e crescimento como ser humano.

Ocorre que, agora, temos também um cenário político e econômico nada auspicioso. Entretanto, somos culpados porque ficamos a todo instante nos lamentando, apontando erros, discutindo – quando deveríamos dialogar – cobrando soluções urgentes e não mágicas (somos seres apressados, não aprendemos a virtude da paciência) não sabemos esperar.
Aproveito para ressaltar que, sou apolítica, não faço apologia desta ou daquela linha partidária, pois, para mim o mais urgente nesse momento, não é ser de esquerda ou de direita, é ser brasileiro, amando o país, e torcendo para que busquemos e encontremos juntos – independente de credo, raça, cor ou opção sexual, um modo de reverter essa situação que aí está.

Símbolo do Pessimismo
Imagem/Reprodução: Consciência e Vida

Somos culpados quando nos deixamos levar por essa “onda” de pessimismo, ao invés de darmos uma chance para o futuro e para as futuras gerações. Certo, sei que muitos dirão – poxa que criatura alienada – prefiro pensar que sou otimista e que existem países em situação muito pior do que o nosso, exemplos não nos faltam: terrorismo, guerras civis, ditaduras sangrentas, para citar apenas alguns.

Por esses dias, escutei de uma amiga: “e se, ao invés de reclamarmos, passarmos cada um a fazer a nossa parte, trabalhando e pensando mais no país, do que só ficarmos focados nos nossos problemas? “ Vale ressaltar que, essa amiga, trabalha duro e está com o marido com uma doença gravíssima, quase desenganado.

Lembram daquela frase antiga, um adágio popular, meio perdido no tempo que diz – “a união faz a força”? Fácil, sei que não é. Aliás, ao longo da minha vida, poucas vezes presenciei algo fácil, ser duradouro ou dar bons resultados.

Acidente em Mariana MG
Imagem/Reprodução: G1

E ouso me valer de uma frase feita e, até um tanto batida (para a grande maioria) somos um país maravilhoso, de natureza exuberante e riquezas naturais grandiosas. O BRASIL, tem tudo para sair dessa, por mais utópico que possa parecer. O brasileiro, diante de muitos episódios difíceis, já demonstrou possuir espírito de união e até de grandeza, por ocasião das tragédias, como a de Mariana/MG, provocada pela queda de uma barragem, aonde além da destruição ambiental, tivemos vidas ceifadas mas vimos muitas pessoas se desdobrando para ajudar, sendo solidárias, doando roupas, água, comida. Tenho consciência de que o tamanho do problema que temos diante de nós é gigantesco, mas tenho também consciência que cada brasileiro, pode ser maior que tudo, superando esse “gigante“, trabalhando, se empenhando, acreditando e deixando de sermos culpados, por nem tentarmos, para sermos vencedores, a começar pela parte mais difícil, ou seja, vencermos a nós mesmos, mudarmos de atitude, de discurso, (o repetitivo discurso da reclamação), focando no que sei todos queremos: evoluir, crescer e vencer.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.


  • Muito bom! Meus parabéns! 🙂

    • Sonia Maria Custodio

      Obrigada meu editor, pelo incentivo.