Como não cair na armadilha da Depressão?

A depressão, como preconiza a medicina, “é uma doença psiquiátrica grave que apresenta sintomas recorrentes de tristeza profunda, baixa autoestima e prostração”. Porém, não me sinto capaz, nem quero me aprofundar no aspecto técnico desse problema, pois, não sendo da área médica, seria antiético fazê-lo. Entretanto com ser humano, uma simples mortal, me deparo muitas vezes, com pessoas que são “apanhadas”, por essa doença, devastadora. E vejo como e difícil enfrentar e, vencer essa “inimiga” que provoca tanto mal.

A minha humilde visão, me leva a dizer que estamos passando por um momento que vem contribuindo muito para propiciar a propagação da depressão. A Pandemia, que obriga as pessoas a se isolarem do mundo exterior a fim de preservar a própria vida e dos que a cercam, mas pior ainda e o caso dos que vivem sozinhos, privados do contato com os amigos, parentes, colegas de trabalho, para citar alguns exemplos.

E, segundo vejo no pronunciamento dos médicos, uma das maneiras de combater esse mal, e buscar preencher o vazio, com trabalhos sociais, (quando ajudamos alguém, nos ajudamos, também), leituras de conteúdos leves, buscar assistir filmes de conteúdo divertidos, jogar videogame, dramas, nem pensar.

Entretanto, acredito que passado o período mais crítico dessa “nuvem”, que se alastrou pelo mundo, as pessoas conseguirão vencer a depressão. Enquanto essa situação perdurar, sugiro um “remédio” que foi utilizado por uma amiga querida: meditação, oração, uma fé ilimitada, onde a duvida não tenha lugar, acreditar que DEUS jamais nos abandona, buscar olhar a sua volta e, ser grato por tudo, em especial, por estar vivo e que nada melhor que saber que sempre há uma saída, um novo caminho, por mais difícil que possa parecer.

O fato que jamais esqueci: há alguns anos quando frequentava aulas de dança, havia na uma turma, um grupinho, que sempre chegava acompanhado de uma moça super animada, comunicativa e que um belo dia, me disse: “sou psiquiatra, e especializei em tratar pessoas com transtorno de depressão e, ao invés de prescrever remédios, prescrevo aulas de dança, e tenho alcançado muito êxito, livrando-os dessa terrível “armadilha”.

Como se vê, ha sempre uma saída e, ate mesmo, a medicina, pode usar a criatividade, como fazia essa médica, para alcançar a alegria da libertação.

Bem, muitos irão indagar, como o método da dança, pode ser usado, se frequentar uma academia de dança, está fora de cogitação? Coloquem músicas que sejam de sua preferência, seja na sala, quarto, varanda e aonde sua imaginação e, dancem muito, ate cansar, sejam ousados a ponto de se permitirem cantar, gritando para o mundo, como estão se libertando dessa “armadilha”, chamada DEPRESSÃO.

Sonia Maria

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.