Reflexão sobre o Amor


Bem, não é nada fácil o tema, pois, muitos dizem, ah! Amor é uma “invenção” dos escritores, poetas, dramaturgos, sonhadores e, até já me disseram, deixa de ser boba porque o que conta é apenas poder encontrar alguém para criar uma família e “perpetuar” o seu nome.

Entretanto, teimosa como sou, ouso contrariar essa “teoria”, pois, sem amor como existirmos enquanto pessoas. Em primeiro lugar, se a pessoa não se ama, por quê então luta para ter uma boa vida? Se empenhar para ser reconhecido, valorizado?

O Amor, é um dos maiores incentivadores para seguirmos adiante, induz no ser humano, vontade de se doar ao outro, olhar o mundo à sua volta, admirando à natureza, o sorriso das crianças, o rebuliço divertido de muitas espécies de animais, como os cachorros, às maravilhas de caminhos que nos levam às novas descobertas, de mesmo estando sozinho, conduzir à imaginação para lugares desconhecidos, mas plenos de beleza.


Podem ter certeza, pelo menos uma vez na vida, vocês já se pegaram pensando em como seria bom ter alguém para amar e, ter esse sentimento correspondido.

Os mais céticos (descrentes), vão ler e dizer: “poxa, quanta imaginação, só acredito no que posso ver, pegar, em algo concreto, que me dê alguma vantagem”.

Porém, tudo o que, os céticos, proclamam como motivos para desacreditar desse sentimento, é justamente, o que o torna tão verdadeiro e prova a sua existência: ou será que existe maior “vantagem” do que saber que existe outra pessoa plena de bons sentimentos, disposta à dividir à vida com a sua, ter à sua volta um mundo onde a bênção do amor consegue criar um mundo melhor, onde pessoas, animais, natureza, sorriam e desejem criar, renovar, estender às ao outro, dizendo: “pode confiar, estou aqui para o que der e vier e, mesmo que não seja o mais forte, sempre serei seu amigo, companheiro, oferecendo o meu ombro, com muito AMOR.


Lanço aqui um “desafio” àqueles que desacrefitam do Amor, se dê a oportunidade de buscar olhar o mundo à sua volta, com olhos do coração, da sensibilidade, deixando de lado o que, lá bem no fundo, não tem coragem de admitir: tem medo de “experimentar”. Amar, se acostumar e dizer para si mesmo: “quanto tempo perdi, sem conhecer esse sentimento, ainda bem que acordei à tempo”.

O Amor, em todas às suas formas, entre pais e filhos, amigos, irmãos, aos animais, à natureza, podem acreditar, não tem contra indicação, nem efeitos colaterais, é um remédio, capaz de curar, o corpo e a alma, quando verdadeiro, opera grandes milagres.

Meu nome é Sonia Maria, sou carioca, com muito orgulho, advogada, empresária. Nas horas vagas adoro ler bons livros, dançar, viajar, namorar. E sou uma pessoa bastante obstinada, sei ser paciente, aliás, a paciência, é fundamental para que não desistamos dos nossos objetivos.